CONCEITO

Marca de design contemporâneo, Miwa busca materializar o espírito dos tempos ao aliar cultura, técnicas artesanais com o conceito slow fashion: moda consciente, feita pra durar, com mão-de-obra, materiais e técnicas artesanais visando o desenvolvimento local sustentável.

A criação é pensada para visionários e criativos que não seguem tendências, que querem reconquistar o prazer de adquirir poucas roupas bem-feitas com design inovativo, mas atemporal, capazes de reconhecer a qualidade e carinho na produção e que se importam com o inteiro ciclo de vida do produto - da pesquisa, ao design, da produção, até o uso e potencial reutilização.

É uma questão de reconectar-se com o que se veste, dar um novo significando às roupas e usá-las como ferramentas de comunicação de sua identidade, além de quebrar o ciclo do descartável
fast-fashion.



COLEÇÃO NÓS

Em NÓS, Nemoto representa as relações humanas e os vários tipos de amores estabelecidos: erótico, romântico, maternal e paternal, fraternal, próprio e divino; além do sentimento de solidão e separação. As interações afetivas são representadas pelos nós, cordas e amarrações das roupas, pelas tramas dos tecidos, pela dicotomia entre o separado e o indivisível.

TECELAGEM MANUAL
Nas peças, a criadora alia a vanguarda do design contemporâneo com a tradição e o artesanal.  Para tanto, Carol teve a parceria de artesãos do Distrito Federal e do Centro Cultural Tecelagem Artesanal de Unaí, Minas Gerais. Desta maneira, cordas, fios e fibras entrelaçam-se para formar tecidos artesanais.

A coleção expressa o uso multidimensional da criação por meio de um auspicioso trançado cultural que amarra a filosofia oriental com padrões têxteis brasileiros, a emotividade das relações, aborda a questão de gênero, como o fim do binário entre o masculino e o feminino ao apresentar a primeira coleção unissex; a questão de raça e de expressão da individualidade enquanto afirmação estética. No desfile de lançamento ocorrido na Embaixada Bélgica, o casting representou esta diversidade ao destacar modelos transgênero, andrógino, maduro, tatuado, com piercing e de várias raças.

MATERIAIS
Além da tecelagem manual, várias técnicas de amarrações foram usadas, como nós orientais, nós de marinheiro, macramê e shibari - técnica japonesa de bondage. Foram usados também tecidos nobres como o crepe de seda pura brasileira, algodão egípcio, viscolinho e tecido tecnológico com textura de casa de abelha.

CARTELA CORES
Na cartela de cores predomina o preto e o branco, como forma de demonstrar a dicotomia das intrincadas relações humanas e o paradoxo de forças opostas, mas complementares. A essencialidade cromática evoca também a atemporalidade do vestir-se de modo elegante, modesto e sem excessos, além da versatilidade para adaptar-se a uma rotina de vida real, mas circundada de poesia.